História

Biografia de Francisco de Paula Victor (Padre Victor)

Padre Victor nasceu em Campanha – MG, no dia 12 de abril de 1827 e foi batizado, em 20 de abril do mesmo ano, pelo Padre Antônio Manoel Teixeira. Era filho da escrava Lourença Maria de Jesus. Sua madrinha de Batismo foi a senhora Marianna Bárbara Ferreira.
Dom Antônio Ferreira Viçoso, bispo de Mariana – MG, visitou Campanha – MG no ano de 1848. Victor, então alfaiate, procurou Dom Viçoso na ocasião, manifestando-lhe o desejo de ser padre. O Bispo o recebeu com grande alegria. O jovem dirigiu-se da cidade de Campanha – MG ao Seminário de Mariana – MG, onde foi aceito em 05 de junho de 1849.
O bispo Dom Viçoso o apoiava e muito o estimava, chegando a proclamar as virtudes desse jovem. Ordenado em 14 de junho de 1851, permaneceu em Campanha – MG, como coadjutor, de 17 de agosto de 1851 até 13 de junho de 1852. Veio para Três Pontas – MG, em 14 de junho do mesmo ano, como Vigário Encomendado. Logo que assumiu seus trabalhos na Paróquia, visitava doentes, amparava os inválidos, zelava pela infância desvalida, atendia a população em suas necessidades. A sua dedicação, as suas virtudes o fizeram admirado por todos, pois assumiu a direção da Paróquia, com zelo e carinho, colocando-se, assim, acima de todas as críticas. Procurou catequizar e instruir o seu povo, chegando a criar a escola “Sagrada Família”, com uma organização perfeita. Por ele passaram brasileiros de grande projeção social: Dom João de Almeida Ferrão, primeiro bispo de Campanha – MG; Cônego José Maria Rabello, que foi seu coadjutor em Três Pontas. Padre Victor instruiu muitos filhos de famílias humildes, fazendo deles grandes homens de cultura, que passaram a viver da inteligência, nas mais variadas profissões.



Padre Victor pregou, pelo exemplo, a fé, a esperança, a fortaleza, a prudência, a justiça, a obediência, a castidade, a temperança, a humildade, o temor a Deus e, sobretudo, a caridade. Amava a Deus na pessoa do seu semelhante, de modo especial nos mais pobres. Os paroquianos, em suas necessidades, recorriam a ele. Era bom, porém enérgico. “Padre Victor vivia de esmolas e dava esmolas”.
Paroquiou Três Pontas – MG, por cinquenta e três (53) anos. Faleceu no dia 23 de setembro de 1905. A notícia abalou a cidade e toda a região, que já o venerava. A população chorou a morte de seu líder, de seu protetor, do mensageiro entre Deus e os homens. Ficou insepulto três dias e, de seu corpo, exalava perfume. Tendo em vista o grande número de pessoas que compareceram ao sepultamento, fez-se necessário fazer uma procissão pelas ruas da cidade, voltando novamente à Matriz – por ele construída – onde foi enterrado.
Padre Francisco de Paula Victor é considerado pelos três pontanos como o seu “Anjo Tutelar”.

Exumação

12 de junho de 1998, foi realizada a Exumação dos restos mortais do Servo de Deus Padre Victor, com a presença do Postulador da causa, Frei Paolo Lombardo, OFM, de Roma; da vice-postuladora, Irmã Célia B. Cadorin; do bispo Diocesano da Campanha, Dom Frei Diamantino Prata de Carvalho; autoridades civis e eclesiásticas, da Associação Padre Victor, de médico peritos do Instituto Médico Legal de Belo Horizonte, de médico perito de Três Pontas. Os restos mortais foram levados para o Carmelo São José, para estudo.
No dia 28 de junho de 1998, num momento de extrema emoção, o povo trespontano acompanhou as relíquias de seu “anjo tutelar”, Padre Victor, até a Matriz Nossa Senhora d´Ajuda.
Os restos mortais do Servo de Deus Padre Francisco de Paula Victor encontram-se no sarcófago, numa capelinha, dentro da Matriz d´Ajuda.